quarta-feira, 18 de maio de 2011

CURSO DE EXTENSÃO – TRANSCRIAÇÕES NO COTIDIANO


Coordenação Geral
Profª. Drª. Sandra Mara Corazza
DEC/PPGEDU/FACED-UFRGS



LOCAL: FACED/UFRGS
Porto Alegre, RS - Av. Paulo Gama, 110 - sala 506/502

INSCRIÇÕES: de 24 de maio a 06 de junho de 2011pelo endereço eletrônico: escrileituras.obeduc@gmail.cominformar a área de atuação e enviar uma breve justificativa de seu interesse em participar do curso.

CURSO VINCULADO AO PROGRAMA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO CAPES/INEP - PROJETO: ESCRILEITURAS: UM MODO DE LER-ESCREVER EM MEIO À VIDA.


O Curso de Extensão é formado por cinco blocos de Oficinas, compondo o seguinte cronograma:

1) Bio-oficinas de Filosofia
Terças-feiras 07, 14, 21 e 28 de junho das 17h às 19h - 8h-a
Ministrante: Patrícia Cardinale Dalarosa

Súmula: As bio-oficinas de filosofia ocorrem por meio de experimentações, através de imersões na estrangeiridade dos textos oficinados. Assim, constituem espaços de efetuações textuais, sejam elas: aportagens de problemas; deslocamentos conceituais e autorias inesperadas entre leituras, escritas, invenções e afectos possíveis. Portanto, ler-escrever sentidos, conceitos, sensações e pensamentos implica, de alguma forma, um estado de bio-transcodificação no qual a noção de vida imanente possa ser operada em processos de criação.  Cartograficamente,  um exercício de posicionamento constante em relação a elementos de intensidades: uma geo-grafia produzida entre linhas que ora desalinham  e ora constituem novas formas de expressão. Trata-se do plano de variação que há entre os sentidos e os signos disparados com e na própria língua, também produzidos e reverberados nos modos que encontramos para dizer daquilo que passa em nós, quando algo da vida nos atinge.

Patrícia Cardinale Dalarosa é Psicóloga formada pela PUC/RS e Pedagoga formada pela UFRGS; Mestranda em Educação pela UFRGS - Membro do DIF –  artistagens, fabulações, variações. Bolsista pesquisadora no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS; Assessora pedagógica na SMED/POA - Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre/RS e Sócia fundadora da Clínica Devir / psicologia e fonoaudiologia.

2) Oficina de Literatura Potencial
Terças-feiras 07, 14, 21 e 28 de junho das 19h15min às 21h15min - 8h-a
Ministrante: Máximo Lamela Adó

Súmula: A criação não se separa da compreensão, pois não se distingue teoria e prática. O saber não basta. Para criar importa, mesmo, o poder e o poder está no ato de calcular, construir, decorar, desenhar, rascunhar, em suma, fabricar; o fabricar é como um pôr-se em jogo numa ação cotidiana vulgar com aquilo em que se lida, é um pôr-se em jogo como em uma comédia. Os jogos possuem regras e pôr-se em jogo, aqui, é estar rigorosamente atento a certas regras. A oficina visa liberar a escritura por meio da criação de exercícios com restrições auto-impostas.

Máximo Lamela Adó é doutorando em Educação na UFRGS - Membro do DIF –artistagens, fabulações, variações sob orientação da Profª Drª Sandra Mara Corazza; Licenciado em Ciências Sociais e Mestre em Literatura pela UFSC e Pesquisador convidado no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS.

3) Oficinas de Atuação Cênica
Terças-feiras 5, 12, 19 e 26 de julho das 17h às 19h - 8h-a
Ministrantes: Paulo Mauro da Silva e Simone Araujo Lovatto


Súmula: As Oficinas de Atuação Cênica, com diversos artefatos cênicos, atua provocando “lances e contra lances”, onde os participantes são convidados a montar seu próprio espetáculo com suas afetações, suas referências, suas proposições, sua potência, numa espécie de um “faça você mesmo!”. Diante de uma série de elementos disparadores, cada um poderá formular contra lances inesperados, leituras surpreendentes, jogadas inventivas. Um jogo de “quebra cabeça” que possibilita  as diferentes singularidades, as infinitas possibilidades, o inesperado, as manifestações plurais, num processo intenso e infinitivo de criação e pensamento.

Paulo Mauro da Silva possui Bacharelado em Direção Teatral ( UFRGS, 1980); Licenciatura Plena em Educação Artística (UFRGS, 1982); Educação e Patrimônio Histórico Cultural (FAPA,  2000);  Mestrado em Educação (UFRGS/FACED, 2005).  É professor de Artes da Rede Municipal de Ensino (SMED) de Porto Alegre desde 1985 e atua na Coordenação da Educação de Jovens e Adultos  (EJA/SMED).

Simone Araujo Lovatto é Licenciada em Letras (Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa de 1º e 2º Graus) (PUCRS, 1995); Especialização em Psicopedagogia (PUCRS, 1998); Especialização em Orientação Educacional (Unilasalle, 2005); Professora Municipal desde maio de 2000 (Rede Municipal de Ensino POA). Atuando, também, na Coordenação Adjunta da EJA SMED – POA desde junho de 2009 e como Gestora Local do Programa Brasil Alfabetizado – SECAD/MEC.

4) Oficinas de (Des)educação Musical
Quintas-feiras 4, 11, 18 e 25 de agosto das 17h às 19h - 8h-a
Ministrante: Edu Pacheco

Súmula: A proposta da oficina é criar situações onde o fazer musical possibilite o exercício do pensamento em arte como elemento problematizador das situações cotidianas nas quais os participantes estão inseridos. Para tal, pensar na música como possibilidade de relação com a vida através das texturas, intensidades, combinações em que os sons e o corpo possam promover, enquanto pesquisa, composição e criação a execução de ruídos, sons, melodias harmonias e ritmos. A partir dessa perspectiva os participantes são convidados a inventar relações com as músicas do mundo, entre elas as suas próprias criações, ouvindo, compondo, tocando/cantando e escrevendo “colocando música, movimento e escritura em estado de coexistência”. 

Eduardo Guedes Pacheco é Bacharel em Percussão – UFSM; Mestre em Educação – UFSM; Prof. de Ed. Musical - UERGS/UNISC; Coordenador Pedagógico Associação CUICA e Doutorando em Educacão - LINHA DE PESQUISA FILSOFIAS DA DIFERENÇA E DA EDUCAÇÃO – UFRGS.

5) Oficinas Espiritográficas de co-criação dialógica
Quintas-feiras 4, 11, 18 e 25 de agosto das 19h15min às 21h15min - 8h-a
Ministrantes: Idalina Krause e Fran Canêz

Súmula: Trata-se de uma evocação desesperada por Dionísio, uma urgência de embriaguez, libertação da aparência que Apolo, quando solitário apresenta. Escrever fazendo emergir das palavras sensações que não representam nem significam. Textos que não descrevem produzidos por olhares e corpos tragicriadores que encontram na vida matéria infindável para a eterna produção da diferença. Textos escripintados com todos os sentidos reconfigurados em corpos que cheiram, ouvem, degustam, tocam e até olham. Da clausura imposta pela sociedade disciplinar cujo lema é o “tu deves” e “faça como eu” ativar espíritos, promover encontros. Fazer circular, dançar, fluir via diálogos os elementos de poder que proclamam a inércia do pensamento, através de encontros dramáticos de escrileitores em educação.

Maria Idalina Krause é Bacharel é Licenciada em Filosofia pela (PUC/RS), com especialização em Filosofia Contemporânea e Brasileira (PUC/RS) e em Filosofia Clínica (Instituto Packter, Porto Alegre). Mestranda em Educação na UFRGS – Membro do DIF artistagens, fabulações, variações sob orientação da Profª Drª Sandra Mara Corazza. Bolsista pesquisadora no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS.

Franciane Canêz Cardoso é Licenciada em Artes Visuais (UFPel, 2004). Com experiência Docente na área de Artes, com ênfase em História da Arte. Especialista em Educação com ênfase em Educação, Arte e Filosofia contemporânea. Mestranda em Educação da Universidade Federeal do Rio Grande do Sul e Membro do DIF artistagens, fabulações, variações.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Seminário Especial - 09 de maio, sala 703 - FACED/UFRGS


Seminário Especial Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida.
Coordenadores Institucionais dos Núcleos
UFRGS | UFPel | UNIOESTE | UFMT

Sandra Mara Corazza -  UFRGS
Carla Gonçalves Rodrigues - UFPel
Ester Maria Dreher Heuser - UNIOESTE
Silas Borges Monteiro - UFMT