terça-feira, 20 de setembro de 2011

INSCRIÇÃO no I° Colóquio Nacional Pensamento da Diferença




ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO

Taxa: R$25,00
1. Preencher a ficha de inscrição (arquivo .DOC)
2. Acessar www.ufrgs.br e clicar em Serviços, posteriormente em Guia de Recolhimento da União
3. Preencher Nome, CPF e em vencimento inclua a data de pagamento
Os seguintes dados devem obrigatoriamente constar:
Descrição do Recolhimento: Serviços Administrativos (Emissão de diplomas/atestados, Taxas...)
Unidade Gestora: 153323 – Faculdade de Educação
Observações Gerais: Obeduc Escrileituras
4. Efetuar o pagamento do valor da(s) taxa(s)
5. Enviar a ficha de inscrição e comprovante de depósito por e-mail para:
* É necessário proceder à inscrição e ao envio da ficha preenchida e comprovante de depósito para garantir a vaga no evento

Passo a passo no site da UFRGS >>




quarta-feira, 18 de maio de 2011

CURSO DE EXTENSÃO – TRANSCRIAÇÕES NO COTIDIANO


Coordenação Geral
Profª. Drª. Sandra Mara Corazza
DEC/PPGEDU/FACED-UFRGS



LOCAL: FACED/UFRGS
Porto Alegre, RS - Av. Paulo Gama, 110 - sala 506/502

INSCRIÇÕES: de 24 de maio a 06 de junho de 2011pelo endereço eletrônico: escrileituras.obeduc@gmail.cominformar a área de atuação e enviar uma breve justificativa de seu interesse em participar do curso.

CURSO VINCULADO AO PROGRAMA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO CAPES/INEP - PROJETO: ESCRILEITURAS: UM MODO DE LER-ESCREVER EM MEIO À VIDA.


O Curso de Extensão é formado por cinco blocos de Oficinas, compondo o seguinte cronograma:

1) Bio-oficinas de Filosofia
Terças-feiras 07, 14, 21 e 28 de junho das 17h às 19h - 8h-a
Ministrante: Patrícia Cardinale Dalarosa

Súmula: As bio-oficinas de filosofia ocorrem por meio de experimentações, através de imersões na estrangeiridade dos textos oficinados. Assim, constituem espaços de efetuações textuais, sejam elas: aportagens de problemas; deslocamentos conceituais e autorias inesperadas entre leituras, escritas, invenções e afectos possíveis. Portanto, ler-escrever sentidos, conceitos, sensações e pensamentos implica, de alguma forma, um estado de bio-transcodificação no qual a noção de vida imanente possa ser operada em processos de criação.  Cartograficamente,  um exercício de posicionamento constante em relação a elementos de intensidades: uma geo-grafia produzida entre linhas que ora desalinham  e ora constituem novas formas de expressão. Trata-se do plano de variação que há entre os sentidos e os signos disparados com e na própria língua, também produzidos e reverberados nos modos que encontramos para dizer daquilo que passa em nós, quando algo da vida nos atinge.

Patrícia Cardinale Dalarosa é Psicóloga formada pela PUC/RS e Pedagoga formada pela UFRGS; Mestranda em Educação pela UFRGS - Membro do DIF –  artistagens, fabulações, variações. Bolsista pesquisadora no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS; Assessora pedagógica na SMED/POA - Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre/RS e Sócia fundadora da Clínica Devir / psicologia e fonoaudiologia.

2) Oficina de Literatura Potencial
Terças-feiras 07, 14, 21 e 28 de junho das 19h15min às 21h15min - 8h-a
Ministrante: Máximo Lamela Adó

Súmula: A criação não se separa da compreensão, pois não se distingue teoria e prática. O saber não basta. Para criar importa, mesmo, o poder e o poder está no ato de calcular, construir, decorar, desenhar, rascunhar, em suma, fabricar; o fabricar é como um pôr-se em jogo numa ação cotidiana vulgar com aquilo em que se lida, é um pôr-se em jogo como em uma comédia. Os jogos possuem regras e pôr-se em jogo, aqui, é estar rigorosamente atento a certas regras. A oficina visa liberar a escritura por meio da criação de exercícios com restrições auto-impostas.

Máximo Lamela Adó é doutorando em Educação na UFRGS - Membro do DIF –artistagens, fabulações, variações sob orientação da Profª Drª Sandra Mara Corazza; Licenciado em Ciências Sociais e Mestre em Literatura pela UFSC e Pesquisador convidado no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS.

3) Oficinas de Atuação Cênica
Terças-feiras 5, 12, 19 e 26 de julho das 17h às 19h - 8h-a
Ministrantes: Paulo Mauro da Silva e Simone Araujo Lovatto


Súmula: As Oficinas de Atuação Cênica, com diversos artefatos cênicos, atua provocando “lances e contra lances”, onde os participantes são convidados a montar seu próprio espetáculo com suas afetações, suas referências, suas proposições, sua potência, numa espécie de um “faça você mesmo!”. Diante de uma série de elementos disparadores, cada um poderá formular contra lances inesperados, leituras surpreendentes, jogadas inventivas. Um jogo de “quebra cabeça” que possibilita  as diferentes singularidades, as infinitas possibilidades, o inesperado, as manifestações plurais, num processo intenso e infinitivo de criação e pensamento.

Paulo Mauro da Silva possui Bacharelado em Direção Teatral ( UFRGS, 1980); Licenciatura Plena em Educação Artística (UFRGS, 1982); Educação e Patrimônio Histórico Cultural (FAPA,  2000);  Mestrado em Educação (UFRGS/FACED, 2005).  É professor de Artes da Rede Municipal de Ensino (SMED) de Porto Alegre desde 1985 e atua na Coordenação da Educação de Jovens e Adultos  (EJA/SMED).

Simone Araujo Lovatto é Licenciada em Letras (Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa de 1º e 2º Graus) (PUCRS, 1995); Especialização em Psicopedagogia (PUCRS, 1998); Especialização em Orientação Educacional (Unilasalle, 2005); Professora Municipal desde maio de 2000 (Rede Municipal de Ensino POA). Atuando, também, na Coordenação Adjunta da EJA SMED – POA desde junho de 2009 e como Gestora Local do Programa Brasil Alfabetizado – SECAD/MEC.

4) Oficinas de (Des)educação Musical
Quintas-feiras 4, 11, 18 e 25 de agosto das 17h às 19h - 8h-a
Ministrante: Edu Pacheco

Súmula: A proposta da oficina é criar situações onde o fazer musical possibilite o exercício do pensamento em arte como elemento problematizador das situações cotidianas nas quais os participantes estão inseridos. Para tal, pensar na música como possibilidade de relação com a vida através das texturas, intensidades, combinações em que os sons e o corpo possam promover, enquanto pesquisa, composição e criação a execução de ruídos, sons, melodias harmonias e ritmos. A partir dessa perspectiva os participantes são convidados a inventar relações com as músicas do mundo, entre elas as suas próprias criações, ouvindo, compondo, tocando/cantando e escrevendo “colocando música, movimento e escritura em estado de coexistência”. 

Eduardo Guedes Pacheco é Bacharel em Percussão – UFSM; Mestre em Educação – UFSM; Prof. de Ed. Musical - UERGS/UNISC; Coordenador Pedagógico Associação CUICA e Doutorando em Educacão - LINHA DE PESQUISA FILSOFIAS DA DIFERENÇA E DA EDUCAÇÃO – UFRGS.

5) Oficinas Espiritográficas de co-criação dialógica
Quintas-feiras 4, 11, 18 e 25 de agosto das 19h15min às 21h15min - 8h-a
Ministrantes: Idalina Krause e Fran Canêz

Súmula: Trata-se de uma evocação desesperada por Dionísio, uma urgência de embriaguez, libertação da aparência que Apolo, quando solitário apresenta. Escrever fazendo emergir das palavras sensações que não representam nem significam. Textos que não descrevem produzidos por olhares e corpos tragicriadores que encontram na vida matéria infindável para a eterna produção da diferença. Textos escripintados com todos os sentidos reconfigurados em corpos que cheiram, ouvem, degustam, tocam e até olham. Da clausura imposta pela sociedade disciplinar cujo lema é o “tu deves” e “faça como eu” ativar espíritos, promover encontros. Fazer circular, dançar, fluir via diálogos os elementos de poder que proclamam a inércia do pensamento, através de encontros dramáticos de escrileitores em educação.

Maria Idalina Krause é Bacharel é Licenciada em Filosofia pela (PUC/RS), com especialização em Filosofia Contemporânea e Brasileira (PUC/RS) e em Filosofia Clínica (Instituto Packter, Porto Alegre). Mestranda em Educação na UFRGS – Membro do DIF artistagens, fabulações, variações sob orientação da Profª Drª Sandra Mara Corazza. Bolsista pesquisadora no Programa Observatório da Educação CAPES/INEP/UFRGS.

Franciane Canêz Cardoso é Licenciada em Artes Visuais (UFPel, 2004). Com experiência Docente na área de Artes, com ênfase em História da Arte. Especialista em Educação com ênfase em Educação, Arte e Filosofia contemporânea. Mestranda em Educação da Universidade Federeal do Rio Grande do Sul e Membro do DIF artistagens, fabulações, variações.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Seminário Especial - 09 de maio, sala 703 - FACED/UFRGS


Seminário Especial Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida.
Coordenadores Institucionais dos Núcleos
UFRGS | UFPel | UNIOESTE | UFMT

Sandra Mara Corazza -  UFRGS
Carla Gonçalves Rodrigues - UFPel
Ester Maria Dreher Heuser - UNIOESTE
Silas Borges Monteiro - UFMT

sexta-feira, 15 de abril de 2011

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Seminário Especial - 15 de abril e 09 de maio de 2011


O Seminário Especial ESCRILEITURAS: UM MODO DE LER-ESCREVER EM MEIO À VIDA (15h-a, 01 crédito) vincula-se ao Programa Observatório da Educação CAPES-INEP e é organizado pelo Grupo de Pesquisa DIF – artistagens, fabulações, variações, cadastrado no Diretório de Pesquisa do CNPq, e pelo BOP – Bando de Orientação e Pesquisa; juntamente com a Linha de Pesquisa 09 Filosofias da diferença e educação, integrante do PPGEDU/UFRGS; e articulado à Pesquisa de Produtividade do CNPq, intitulada Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo: método Valéry-Deleuze, desenvolvida pela professora Sandra Mara Corazza.

O Seminário acontecerá, presencialmente, em dois espaços: na sala 703, 7º andar da Faculdade de Educação da UFRGS, Campus Central, Avenida Paulo Gama 110, Prédio 12201, Bairro Farroupilha; e na Palavraria Livraria e Café, Rua Vasco das Gama 165; nos dias 15 de abril e 09 de maio de 2011, respectivamente: das 16h às 18h; das 19h às 21h; e das 14h às 18h; com uma carga horária equivalente a 10 horas-aula. As outras 05h-a serão a distância e utilizadas para, primeiramente, o estudo prévio da Bibliografia recomendada aos participantes; e, em segundo lugar, para a escrileitura de um texto, decorrente dos encontros presenciais; a qual contará com orientação,  acompanhamento e avaliação da  Coordenadora deste Seminário.


Os participantes não vinculados ao PPGEDU, ou a outro Programa de Pós-Graduação da UFRGS, que quiserem participar como alunos PEC, poderão matricular-se no Seminário Especial. Os interessados e o público em geral terão entrada franca, podendo receber um certificado de 15 horas-aula (equivalendo a 01 crédito para alunos regulares e PEC), emitido pelo PPGEDU, por sua efetiva presença, participação e produção.

Súmula/ementa: O Seminário Especial ESCRILEITURAS: UM MODO DE LER-ESCREVER EM MEIO À VIDA encontra-se articulado às Oficinas de Transcriação, desenvolvidas pelo Projeto do mesmo nome, na FACED/UFRGS, e integrante do OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO CAPES/INEP (Edital 038/2010). Tratado pela via de uma Didática-Artista, o Seminário é desenvolvido por 4 professores convidados, externos à UFRGS, durante três turnos presenciais (10h-a), comportando: (a) uma Palestra (dia 15/04, das 16h às 18h); um Sarau Lítero-Musical, com lançamento de livro e sessão de autógrafos (15/04, das 19h às 21h); além de um Painel (09/05, das 14h às 18h); acrescidos de um turno (05h-a) a distância para produção individual dos participantes. Cada encontro será seguido de debates acerca do babelismo de diferença e abertura, relacional e dialógico, passagens e transposições, pluralidade e multiplicidade de línguas, influências e textos de literatura, filosofia e educação. Estabelecendo afinidades com o processo de pesquisa e de produção intelectual de cada convidado, o Seminário mostra a sua pluralidade, no que tange a vertentes, dicções, estilos, gostos e modos de escrever e de ler. Subsidiado por textos e livros de filosofia, educação, literatura e intra-disciplinares (vide Bibliografia recomendada abaixo), trabalha unidades temáticas, por meio de uma didática translingüística, transliterária, transcultural, transacadêmica e transpensamental, que nasce e vive em diversas obras de diferentes línguas. Operando com uma Didática-Artista da Tradução, o Seminário percorre, no mínimo, um duplo sentido de transcursos e circuitos de transferências, quais sejam: o Pensamento da Diferença Pura, no atinente à criação e ao pensar; as teorias da tradução literária no Brasil, que lidam com a idéia de tradução como um processo criador, especialmente do lado de Augusto e Haroldo de Campos, e que são tributárias de Paul Valéry, Edgar Allan Poe, Walter Benjamin, T. S. Elliot, Jorge Luis Borges, Lezama Lima, Octavio Paz, Roman Jakobson, Charles Sander Peirce, Max Bense, Ezra Pound, dentre outros.

Objetivos: (1) Extrair acontecimentos das coisas, dos corpos, dos estados de coisas, dos seres: inventando personagens e estabelecendo ligações entre eles e os acontecimentos. (2) Rejeitar as modelizações confinantes, que negam o novo e requerem, apenas, regularidades, médias e métricas: priorizando a poética, o processual e a reversibilidade. (3) Localizar as Dobras do Mundo, entre as Dobras do Espírito e da Matéria: acedendo, assim, aos Planos de Imanência, de Composição e de Referência. (4) Capturar e liberar as forças inéditas e vitais, que agem sob as formas: trabalhando as potências que estas carregam e carreiam. (5) Substituir a relação Forma-Matéria pela relação Força-Material: associando obras, autores, criadores e tradutores, em devires de mutação das culturas. (6) Favorecer culturas do dissenso: reinventando novas formas, significações, posições de indivíduos e de grupos.


Programa (conteúdo):  A Didáticartista da Tradução percorre este Seminário Especial, como um dispositivo que o desencadeia ou uma prática que o desdobra, defendendo que a vida deve ser traduzida, como processo de criação. Por isso, os professores colaboradores traduzem Perceptos, Afectos, Funções e Conceitos, que são lidos, ouvidos, aprendidos com outros, ou com problemas e questões que se agitam à sua volta ou em nosso entorno; vertem-os das línguas em que foram criados, pela Filosofia, pela Arte e pela Ciência; e os expressam no meio, na cultura e na Língua Menor das Oficinas de Transcriação do Programa Observatório da Educação FACED/UFRGS.
A Programação Geral (presencial) do Seminário Especial “Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida”  fica assim configurada:

DIA 15 ABRIL 2011, 6ª FEIRA
(1) 16h às 18h, SALA 508, FACED/UFRGS
PALESTRA: “APRESENTAÇÃO DO PROCEDIMENTO
Prof. GABRIEL SAUSEN FEIL (UNIPAMPA)
(2) 19h às 21h, PALAVRARIA LIVRARIA E CAFÉ:
SARAU LÍTERO-MUSICAL E LANÇAMENTO DO LIVRO DE GABRIEL SAUSEN FEIL: PROCEDIMENTO ERÓTICO, NA FORMAÇÃO, ENSINO, CURRÍCULO. JUNDIAÍ, SP: PACO EDITORIAL, 2011.

DIA 09 DE MAIO 2011, 2ª FEIRA
(3) 14 h às 18h, FACED/UFRGS
PAINEL: “OFICINAS DE TRANSCRIAÇÃO
Profª CARLA GONÇALVES RODRIGUES (UFPEL)
Profª ESTER MARIA DREHER HEUSER (UNIOESTE)

Prof. SILAS BORGES MONTEIRO (UFMT)

Método de trabalho (principais atividades): Exposições, discussões, indicações bibliográficas, produções de escrileitura.  

Procedimentos e/ou critérios de avaliação: Os critérios de avaliação do Seminário Especial são: o vital, o interessante e o notável. Diante de manifestações orais e produções escritas dos participantes, indagar e responder: – Tornam interessantes e notáveis idéias passadas, vivificando outros devires, em cenários contemporâneos, mesmo ao preço de voltá-las contra si mesmas? Há, nelas, liberação das forças vitais dos participantes, onde quer que estejam represadas? Levam essas forças a reencontrarem a sua virtualidade, via a desestratificação das camadas sedimentadas de saber, poder e subjetividade?


Bibliografia

PRINCIPAL
FEIL, Gabriel Sausen. Procedimento erótico, na formação, ensino, currículo. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2011.
HEUSER, Ester Maria Dreher. Pensar em Deleuze: violência e empirismo no ensino de filosofia. Ijuí:UNIJUÍ, 2010.
MONTEIRO, SILAS Borges. “Otobiografia como escuta das vivências presentes nos escritos”. Educação e Pesquisa (USP), v. 33, p. 471-484, 2007.
RODRIGUES, Carla Gonçalves. “Currículo movente constituindo forma na ação docente”. In: Foucault, Deleuze & EducaçãoCLARETO, Sônia Maria; FERRRARI, Anderson (orgs.). Juiz de Fora, MG: Ed. UFJF, 2010, p.91-104.

COMPLEMENTAR
BARTHES, Roland. O prazer do texto. (Trad. J. Guinsburg.) São Paulo: Perspectiva, 2006.
_____. A preparação do romance I: da vida à obra. Notas de cursos e seminários no Collège de France, 1978-1979. (Trad. Leyla Perrone-Moisés.) São Paulo: Martins Fontes, 2005.
_____. A preparação do romance II: a obra como vontade. Notas de curso no Collège de France 1979-1980. (Trad. Leyla Perrone-Moisés.) São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BENJAMIN, Walter. “A tarefa do tradutor” (Die Aufgabe des Übersetzers, Gesammelte Schriften, IV.1, p. 9 -21). (Trad. Maria Filomena Molder.) Texto digitalizado, 13 p. Consulta jan./2011. (In http://www.c-e-m.org/wp-content/uploads/a-tarefa-do-tradutor.pdf).
BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. (Trad. Bento Prado Neto.) São Paulo: Martins Fontes, 2006.
BUYDENS, Mireille. Sahara: l’esthétique de Gilles Deleuze. Paris: J. Vrin, 1990.
BURCHILL, Louise. “Deleuze comme ‘traductologue’? Ou les temps de traduire”. Association Multitudes, 2007/2, n.29, p.187-197.
CAMPOS, Augusto de. Verso, reverso, controverso. São Paulo: Perspectiva, 1978.
_____. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
CAMPOS, Haroldo de. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1972.
_____. A operação do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976.
_____. “Octavio Paz e a poética da tradução” In Folhetim, Folha de São Paulo, 09 janeiro 1987.
_____. Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Perspectiva, 1992.
_____. Depoimentos de oficina. São Paulo: Unimarco, 2002.
_____. Éden: um tríptico bíblico. São Paulo: Perspectiva, 2004.
_____. Deus e o Diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 2008.
CORAZZA, Sandra Mara (Org.). Fantasias de escritura: filosofia, educação, literatura. Porto Alegre: Sulina, 2010.
DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. (Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado.) Rio de Janeiro: Graal, 1988.
_____. Foucault. Paris: Minuit, 1991.                                                             
_____. Crítica e clínica. (Trad. Peter Pál Pelbart.) São Paulo: Ed. 34, 1997.
_____. Diálogos. (Trad. Eloisa Araújo Ribeiro.) São Paulo: Escuta, 1998a.
_____. Lógica do sentido. (Trad. Luis Roberto Salinas Fortes.) São Paulo: Perspectiva, 1998b.
_____. Bergsonismo. (Trad. Luiz B.L.Orlandi.) São Paulo: Ed. 34, 1999.
_____. “Qu’est-ce que l’acte de création”? In _____. Deux regimes de fous. Textes et entrétiens 1975-1995. Paris: Minuit, 2003, p.291-302.
_____. Sacher-Masoch: o frio e o cruel. (Trad. Jorge Bastos.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. (Trad. Júlio Castañon Guimarães.) Rio de Janeiro: Imago, 1977.
_____. O que é a filosofia? (Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz.). Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. (Trad. Rogério Costa.) São Paulo: Iluminuras, 1997.
GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. (Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão.) Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
HURTADO ALBIR, Amparo. Traducción y traductología: introducción a la traductología. Madri: Cátedra, 2001.
JAKOBSON, Roman. Lingüística e comunicação. (Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. ) São Paulo: Cultrix, 2001.
LARANJEIRA, Mário. Poética da tradução: do sentido à significância. São Paulo: EDUSP, 1993.
MESCHONNIC, Henri. Poética do traduzir. (Trad. Jerusa Pires Ferreira.) São Paulo: Perspectiva, 2010.
MILTON, John. Tradução: teoria e prática. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
MOTTA, Leda Tenório da (Org.). Céu acima: para um “tombeau” de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005.
PAZ, Octavio. Traducción: literatura y literalidad. Barcelona: Tusquets, 1981.
POUND, Ezra. ABC da literatura. (Trad. Augusto de Campos e José Paulo Paes.)
São Paulo: Cultrix, 2006.
RÓNAI, Paulo. Escola de tradutores. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, INL, 1987.
SAUVAGNARGUES, Anne. Deleuze et l’art. Paris: PUF, 2005.
VALÉRY, Paul. Varieté V. Paris: Gallimard, 1945.
_____. Traduction en vers des Bucoliques de Virgile. Paris: Gallimard, 1956.
_____. “Esboço de uma serpente” In CAMPOS, Augusto de. Paul Valéry: a serpente e o pensar. (Trad. Augusto de Campos.) São Paulo: Brasiliense, 1984, p.27-57. ___. Variedades. (Trad. João Alexandre Barbosa.) São Paulo: Iluminuras, 1991.
___. A alma e a dança e outros diálogos. (Trad. Marcelo Coelho.) Rio de Janeiro: Imago, 1996.
___. Monsieur Teste. (Trad. Cristina Murachco.) São Paulo: Ática, 1997.
___. Introdução ao método de Leonardo da Vinci. (Trad. Geraldo Gérson de Souza.) São Paulo: Ed. 34, 1998.
___. Degas, dança, desenho. (Trad. Christina Murachco e Célia Euvaldo.) São Paulo: Cosak & Naify, 2003.
___. Alfabeto. (Trad. Tomaz Tadeu.) Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
VEGA, Miguel Angel (Ed.). Textos clásicos de teoría de la traducción. Madri: Cátedra, 1994.
WANDERLEY, Jorge. 22 ingleses modernos: uma antologia poética. São Paulo: Civilização Brasileira, 1993.
WILLEMART, Philippe. Os processos de criação na escritura, na arte e na psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2009. 

sábado, 26 de março de 2011

Conferência - Prof. Dr. Henrique Sobreira - 25.03.2011


A Educação, a criação e o humano em tempos de UCA


“Após décadas de promessas frustradas tudo indica que os computadores finalmente ‘desembarcaram’ na Escola Pública Brasileira. Mas chegam em contexto de uma cultura escolar de download que, apesar de insatisfatória, ainda reúne energias suficientes para criar obstáculos ao devir-upload que ‘anda por aí’ fora da escola”.

Prof. Dr. Henrique Sobreira / UERJ



Sala 703 - PPGEDU/FACED/UFRGS



Links mencionados pelo Prof. Dr. Henrique Sobreira

terça-feira, 22 de março de 2011

sobre PROCEDIMENTO




















BARTHES, Roland. All except you: Saul Steinberg. In:_______. Inéditos vol3: imagem e moda. São Paulo: Martins Fontes, 2005 (p.165-166). [Enviado por Luciano Bedin da Costa]

terça-feira, 1 de março de 2011

Conferência - Prof. Dr. Henrique Sobreira


A Educação, a criação e o humano em tempos de UCA

25 de março de 2011
das 09h às 11h30
sala 703
INSCRIÇÕES NO LOCAL
com direito a certificado pelo PPGEDU
FACED/UFRGS
Porto Alegre - RS

[a conferência será transmitida pela IPTV Kaxinawá FEBF]

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Encontro 10 de março de 2011

1º Encontro OBEDUC.FACED.UFRGS
10 de março de 2011 - Quinta-feira
14 horas

Faculdade de Educação - FACED/UFRGS -  5º andar, sala 508.
Av. Paulo Gama, 110 - Porto Alegre/RS
Fone: 51 3308.6000

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

PARA PENSAR AS OFICINAS DE TRANSCRIAÇÃO (OsT)

Ca.Obe#2 Caderno de Notas | Programa Observatório da Educação

PARA PENSAR AS OFICINAS DE TRANSCRIAÇÃO (OsT)
Notas 0 - UMA TEORIA DA CRIAÇÃO

autor: Sandra Mara Corazza
formato: 210 x 297 mm
arquivo em PDF
14 páginas




sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

OFICINAS DE TRANSCRIAÇÃO (OsT)


Ca.Obe#1 - Caderno de Notas | Programa Observatório da Educação

OFICINAS DE TRANSCRIAÇÃO (OsT)
Notas I, II, III, IV e Glossário


autor: Sandra Mara Corazza
formato: 210 x 297 mm
arquivo em PDF
36 páginas